Setor
05/07/2018
Escrito por Comunicação ABIA
Encontro de representantes das indústrias de alimentos defende harmonização da rotulagem nutricional no Mercosul

"Carta de Brasília” reforça necessidade de regras comuns para beneficiar os consumidores, promover a educação alimentar e evitar danos às economias dos países da região

Reunidos em Brasília nesta quarta-feira, 4 de julho, representantes da Coordenação das Indústrias de Produtos Alimentícios e Bebidas do Mercosul (CIPAM) divulgaram documento conjunto que oficializa a contribuição do setor produtivo para a normatização da rotulagem nutricional nos países da região (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai). O documento, intitulado “Carta de Brasília”, defende a necessidade de que a regulamentação dos rótulos de alimentos e bebidas seja harmonizada em todo o bloco, para evitar prejuízos ao comércio exterior e, consequentemente, à economia dos países da região.

O tema das normas de rotulagem nutricional está em discussão nos países do Mercosul e em outras partes do mundo, em função dos crescimento dos índices de obesidade e outros problemas de saúde ligados ao estilo de vida. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) anunciou em maio um processo de Tomada Pública de Subsídios, com o objetivo de colher contribuições de base técnica e científica para a definição do modelo a ser adotado no País. A decisão deve ocorrer até o final do ano ou no primeiro trimestre de 2019.

“O novo modelo de rotulagem nutricional deve contribuir para que o consumidor tenha mais informações sobre os alimentos e, assim, possa fazer escolhas de acordo com suas preferências e características individuais”, afirma João Dornellas, presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA). “Nossa visão é que a nova rotulagem nutricional contribua para a educação alimentar da população, para que ela faça opções conscientes no contexto de uma dieta equilibrada, sem alarmismos.”

A carta divulgada pela CIPAM alerta para a importância da construção de “uma proposta regional que considere a importância do intercâmbio comercial e assegure ao mesmo tempo resultados efetivos para a promoção de hábitos saudáveis e a redução da obesidade e do sobrepeso entre a população”.

Juntas, as indústrias de alimentos e bebidas do Mercosul são responsáveis por 6,5 milhões de empregos diretos e indiretos e respondem por um volume anual de exportações de 76,3 bilhões de dólares.

Após o encontro e a divulgação do documento, a comitiva da CIPAM  se reuniu com autoridades do governo brasileiro para apresentar a posição do setor produtivo sobre o melhor modelo de rotulagem nutricional para a região. Participaram do encontro  da CIPAM os seguintes executivos: Diego Hekimian (COPAL/Argentina), Marcelo Adrián Ceretti (CIPAM), João Dornellas, Flávio de Souza e Wilson Mello (ABIA/Brasil), Fernando Pache (CIALI/ Uruguai), Bernardita Gómez (CABE/Paraguai) e Carlos Micossi (CEPALI – Paraguai).





COMPARTILHE
 
VOLTAR