27/09/2019
Escrito por ABIA

Transformação tecnológica foi o grande tema do Congresso de Food Service da ABIA

No dia 26 de setembro, a ABIA – Associação Brasileira da Indústria de Alimentos realizou o 12º Congresso Internacional de Food Service, no Centro Universitário SENAC, em São Paulo. Com o tema“O novo food service: o mundo em transformação e as novas fronteiras!”, o evento abordou as profundas mudanças no mercado dos serviços de alimentação geradas pela inovação e pela implementação de tecnologias.

João Dornellas, presidente executivo da ABIA, abriu o evento falando da importância da integração da indústria de alimentos com a rede de food service no Brasil. Em seguida, Daniel Silva, coordenador do Comitê de Food Service da ABIA, mostrou dados importantes do mercado brasileiro e falou sobre o novo perfil do consumidor em todo o mundo, que busca mais comodidade e praticidade.

“Prova disso é a expansão dos aplicativos de delivery, que apresentou crescimento de 19% ano passado comparado com 2017 (dados do IFB). Além disso, a busca por pratos mais nutritivos e a exigência do consumidor por uma alimentação mais leve e que tenha impacto positivo sobre a sua saúde, tem influenciado o mercado na busca por inovação”, disse Silva.

Para Fernando Munhoz, diretor de Food Service da Fazenda Futuro, oferecer ao consumidor uma experiência nova e baseada em valores é um caminho sem volta. “Hoje, as pessoas têm alterado a sua dieta em busca de alimentos mais saudáveis, produzidos por empresas mais conscientes com a sustentabilidade do planeta. E essa ideia vem crescendo”, ressaltou o diretor. Ele participou do painel “Natural e Tech: como fica a comida do futuro e o papel da indústria de alimentos”, juntamente com Alexandre Canatella, CEO do Cybercook e diretor de Negócios Digitais do Carrefour, José Barattino, chef executivo do Eataly, e Tatiana Lanna, head de Cloud Kitchen na Liv Up!. A discussão foi moderada por Ivan Achcar, chef e fundador da Escola de Gestão em Negócios da Gastronomia.

MOTIVAÇÃO

Com o auditório lotado, a mestre de cerimônias Priscila Brandão, repórter e apresentadora da TV Globo por 25 anos, anunciou a palestra de Ivan Moré, ex-apresentador do Esporte Espetacular e do Globo Esporte.

Sob o tema “Desobediência produtiva”, Moré deu um show no palco. Com uma palestra motivacional cheia de histórias inspiradoras, fatos que aconteceram durante a sua trajetória como repórter e apresentador na TV Globo, Ivan Moré contou como as pessoas podem tomar decisões no ambiente de trabalho a partir de uma outra perspectiva e, com iniciativa, encarar novos desafios a todo momento.

Veja aqui um trecho no Instagram do Ivan Moré

CONECTIVIDADE

Eduardo Sodero, diretor da Rappi no Brasil, e Cristiane Ribeiro, fundadora e diretora de Estratégia do Delivery Center, participaram do painel “Conectividade total: a nova fronteira do Food Service”. Eles falaram sobre os investimentos no setor de delivery e como esse mercado ainda pode crescer no Brasil. O painel contou com a moderação de Daniel Silva, Food Service Leader da Cargill.

O evento contou ainda com Alessandro Pereira, sócio-fundador da Mania de Churrasco Prime Steakhouse, David Grinberg, vice-presidente de Comunicação Corporativa e de Relações com Investidores da Arcos Dorados na América Latina e Caribe, Marcelo Marinis, presidente do Instituto Food Service Brasil, e Raquel Paternesi, diretora de Marketing do Bob’s. Eles participaram do painel “Como inovar: o desenvolvimento de cardápios e produtos trabalhando colaborativamente com os elos da cadeia”, com a moderação de Simone Galante, fundadora e CEO da Galunion.

E no painel “Como promover lealdade e aumentar as vendas no contexto da transformação digital”, Francisco Simon, VP do Uber Eats, Frederico Tonietto, sócio e CEO do Styme, e Lucas Prim, co-founder e CEO da Zygo foram os painelistas, sob moderação de Daniel Castello, mentor da rede Endeavor.

Mercado

De acordo com dados da última Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), divulgada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do total destinado à alimentação, o gasto das famílias brasileiras com refeições fora de casa passou de 31,1% na POF de 2008-2009 para 32,8% em 2017-2018. A POF mostra ainda que a porcentagem total destinada à alimentação caiu de 19,8% para 17,5% no período.

Ano passado, o faturamento dos serviços de alimentação, o chamado food service, chegou a R$ 172,6 bilhões, segundo o departamento de Economia e Inteligência Competitiva da ABIA.

É um mercado com 1,3 milhão de pontos de vendas no Brasil e que não para de crescer. De 2008 a 2018, mesmo com a crise econômica dos últimos anos, as vendas dos serviços de alimentação cresceram, em média, 11,5% ao ano. O setor varejista de alimentos, no mesmo período, cresceu 9,4%. Em 2018, o segmento do food service apresentou crescimento de 4,8%.

No cenário mundial, essa tendência de crescimento não é diferente. Peter Backman, palestrante internacional dessa edição do Congresso, apresentou dados do mercado europeu de food service, falou sobre as tendências por lá e do crescimento dos aplicativos de delivery.

“Acredito que os aplicativos continuarão crescendo por um tempo, depois cairá um pouco até atingir uma estabilidade. Não creio que eles dominarão o mercado, isso é improvável”, ressaltou Backman. Ele é consultor de Food Service e viaja o mundo promovendo palestras sobre o segmento.