Food Service, um mercado em expansão

Em 2019 as vendas do canal food service (alimentação preparada fora do lar) apresentaram crescimento de 6,9% em termos nominais. As vendas reais, descontada a evolução dos preços pelo IPCA/IBGE alimentação fora do lar, cresceram de 3,2%; desempenho superior ao projetado para o PIB do país, de 1,1%.

No mesmo período, as vendas da indústria de alimentos ao comércio varejista alimentar apresentaram expansão de 5,9% em termos nominais e 2,1% em termos reais, descontada a inflação pelo IPCA/IBGE.

O avanço da agenda de reformas, com destaque para a tributária, representará um passo decisivo para a criação de um novo ciclo de crescimento sustentado da economia brasileira, com a inflação sob controle e a retomada dos investimentos, fundamentos necessários para a criação de empregos e de renda. Este cenário é positivo para o Canal Food Service, que poderá acelerar a sua trajetória de crescimento.

No contexto dos desafios atuais trazidos pela pandemia, a cadeia do food service tem atravessado por vários movimentos de disrupção. Alteram-se a preferências e prioridades dos consumidores. Operadores food service intensificam a busca pela eficiência e o fortalecimento dos canais de vendas on-line para manter a sua relevância. A medidas que se acelera revolução digital, as redes sociais assumem um papel central na comunicação com o consumidor. Todas essas transformações colocam ainda mais importância nas parcerias entre operadores, indústrias e distribuidores para viabilizar novos caminhos para o crescimento.


Canais de distribuição

No mercado interno, as vendas da indústria de alimentos, compreendendo o food service e o varejo alimentar, apresentaram expansão de 6,2% em 2019, totalizando R$ 557,7 bilhões.

O canal Food Service (alimentação preparada fora do lar) respondeu por 33% deste total, com vendas de R$ 184,7 bilhões e o varejo alimentar respondeu 67%, com vendas de R$ 373,0 bilhões.

Nos últimos 10 anos, as vendas da indústria para o canal food service cresceram em média 11% ao ano, ante 9% do varejo alimentar em termos nominais.


Entre os principais fatores de expansão deste mercado estão:

- Mudanças no estilo de vida da população, com demanda para uma alimentação mais conveniente, prática, saudável e segura.

- As mídias sociais assumem assume um papel central na comunicação com os consumidores.

- Serviços de “delivery” por aplicativos e independentes;

- O fenômeno das Dark kitchens e Ghost kitchens;

- Confiança do consumidor na segurança dos alimentos e dos serviços prestados;

- Food Service no varejo: provedores de serviços de refeições, valorização da experiência do consumidor;

- Digital Food Service: maior eficiência nos negócios, por meio da integração de processos de suprimentos, preparo e distribuição de refeições por meio do uso de tecnologias da informação e inteligência artificial;

- Parcerias de negócios entre indústrias, distribuidores, operadores e prestadores de serviços, em favor da otimização de custos e eficiência nas operações.

- Inovação: novos formatos de negócios e serviços no canal food service em sintonia com as novas demandas dos consumidores;

- Tendências emergentes, que vieram para ficar: saudabilidade, valorização dos atributos relacionados à nutrição e ao bem-estar;

- Clean label, enriquecidos, integrais, vegetarianos/veganos, orgânicos/sustentáveis; proteínas à base de plantas.