Home - Notícias - Balas e Chocolates
Balas e Chocolates
01/03/2016
Escrito por DCI
Varejistas preparam estoque menor por receio de cenário ruim na Páscoa

Pedidos de lojistas junto a fornecedores foram reduzidos em 12,6% na comparação com o ano passado. Caixas de bombons e chocolates em barra são apostas do setor por data menos amarga

São Paulo - Ao prever uma queda de até 12,2% nas vendas de produtos ligados à Páscoa este ano, na comparação com 2015, os varejistas decidiram diminuir os pedidos de ovos de chocolate junto à indústria. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), as lojas prepararam um estoque 12,6% menor para evitar itens abandonados nas gôndolas.

"Nossos indicadores mostram um cenário preocupante. Os preços dos chocolates aumentaram cerca de 9% em relação à Páscoa do ano passado e o feriado, que foi adiantado este ano, vai cair no final do mês de março, quando o consumidor está mais cauteloso. Para ser bem realista, as vendas podem ser até piores que a nossa previsão [-12,2%]", diz o presidente do Conselho Consultivo da Abras, Sussumu Honda.

A estimativa ruim levou os varejistas a diminuírem consideravelmente os pedidos de ovos de chocolate [-9,2%] junto aos fornecedores para a data deste ano, em relação a 2015. Em contrapartida, na mesma base de comparação, engordaram os estoques com itens de menor valor agregado, como caixas de bombons, barras e tabletes (+2%).

"Além de queda nas vendas, o tíquete médio também deve ser menor. O consumidor, como disse, estará apertado no final do mês e continua cauteloso na hora de consumidor por conta da crise econômica", acrescenta.

O levantamento mostrou que quase todos os produtos relacionados à época tiveram diminuição de encomenda pelos lojistas, em relação a 2015. Os importados em geral (-4,7%) foram os mais cortados. O estudo mostrou que apenas 18,6% dos varejistas estão otimistas em relação às vendas pascais, e projetam números superiores aos registrados ano passado. Já para 41,9% as vendas devem ficar no mesmo patamar. No entanto, a pesquisa também destacou que 39,5% dos empresários acreditam que os resultados de 2016 serão inferiores aos apresentados no ano anterior.

Para o gerente de Economia e Pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Rodrigo Mariano, o fato de o consumidor escolher itens mais baratos na data deste ano pode representar uma alta nas vendas gerais, ao contrário do que estima a Abras.

Apesar das vendas mais fracas, a associação paulista acredita que deverá haver aumento de 12% no comércio de chocolates como um todo. "Com a inflação elevada ao longo de 2015, os preços de ovos de Páscoa podem levar mais consumidores a procurar outras opções, como caixas de bombons e chocolates em barra, por exemplo. Isso por um lado favorece a venda de chocolates em geral, mas deve prejudicar as vendas de ovos", comenta.

Bons negócios

O temor pelas vendas ruins levou a Cooperativa de Consumo (Coop) a negociar, antes do carnaval, os preços dos produtos de Páscoa com a indústria. "Graças à grande variedade de produtos e às boas negociações realizadas com os fornecedores, é possível que nossas vendas sejam até maiores aos 10% previstos inicialmente", diz o gerente comercial da companhia, Gustavo Ramos.

Já o Assaí, do Grupo Pão de Açúcar, prevê ir além e elevar em 20% as vendas no período.

A aposta da atacadista é nas coberturas e barras de chocolates para que os consumidores fabriquem em casa os presentes do evento. "Estamos apostando nas coberturas. Com o cenário econômico mais desafiador, as pessoas estão procurando alternativas para complementar a renda. A venda de ovos de Páscoa caseiros pode ser opção interessante nesse sentido", explica o diretor comercial do Assaí Atacadista, Wlamir dos Anjos.

Sem crise

Sem temer quedas nas vendas, as lojas de chocolates do segmento premium esperam uma Páscoa bastante doce. A Ópera Ganache, localizada no bairro dos Jardins, em São Paulo, acredita que pode elevar o faturamento da rede em até 35% no período de Páscoa.

"Nós mantivemos os mesmos preços do ano passado, assim como o tamanho dos produtos. Também investimos em cinco novas linhas temáticas, com receitas assinadas pelo pâtissier Renato Blinder. Outra estratégia foi investir no que já faz sucesso entre o público nos outros anos como, por exemplo, os wafles e alfajores", conta o confeiteiro e proprietário da Ópera Ganache, Rafael Barros.

Os preços dos ovos de páscoa na loja variam entre R$ 60 a R$ 165 reais. O tíquete médio fica entre R$ 70 e R$ 100, segundo o empresário.

A Ofner é outra que prevê crescimento nas vendas em 2016, de pelo menos 11% em relação ao ano anterior. "Ampliamos nossa oferta de itens este ano lançando alguns produtos novos", como afirma o diretor industrial da marca, Alexandre da Costa.





COMPARTILHE
 
VOLTAR